Pular para o conteúdo principal

Falando em igualdade, enfim: Sancionado o Estatuto da Igualdade Racial


Depois de aproximadamente dez anos em discussão na Câmara dos Deputados, foi sancionado nesta última terça-feira (20) pelo Presidente Luiz Inácio Lula da Silva o Estatuto da Igualdade Racial.

Em meados do ano 2000 o senador Paulo Paim, quando então deputado no Rio Grande do Sul pelo PT apresentou a primeira versão do Estatuto. No ano de 2003 quando já Senador, Paim reascendeu nas veias a sua luta para garantir direitos à população discriminada etnicamente. O político sempre esteve à frente de questões importantes aos direitos humanos, à cidadania, à história, e, sobretudo ao direito. 

Hoje o Estatuto vincula a luta de muitos, relembra décadas de debates e, sobretudo, liberta vertiginosamente a consciência de todos - que há muito tempo foram barrados, ignorados e muitas vezes vítimas de coação e políticas do medo, quando, sem timidez, colocaram a realidade social brasileira no mesmo patamar da necessidade de inclusão dos afro-brasileiros. 

O Estatuto define o que é discriminação racial, desigualdade racial e população negra. Aquela se configura quando há distinção, exclusão, restrição ou preferência baseada em etnia, descendência ou origem nacional. A segunda se perfaz quando da existência de criação de uma situação injustificada de diferenciação de acesso e oportunidades em virtude de etnia, descendência ou origem nacional. E, população negra é considerada o conjunto de pessoas que se auto declaram pretas e pardas.

No âmbito da educação está dentro do texto a obrigatoriedade nas escolas de ensino fundamental e médio, sejam públicas ou privadas, de ensinar a história geral da África e da população negra no Brasil. Em contrapartida, ficou de fora do Estatuto a disponibilização de percentual de cotas para negros nas universidades, na televisão e em partidos políticos. Também ficou de fora a previsão de programa que assegura vagas em Instituições Federais de nível médio e superior. 

Já no que se refere ao Esporte, a capoeira será reconhecida como esporte pelo governo que, por sua vez, terá que destinar recursos para à pratica. No trabalho, destaque para o incentivo de atividades produtivas rurais para a população negra e, a proibição nas empresas da exigência do quesito “aspectos próprios de etnia” para ofertas de emprego. 

Sim, assim como muitos estão comemorando a aprovação do Estatuto, têm muitos que estão criticando e isso é a democracia aliada com a cidadania. No entanto, existem também aqueles que somam na indiferença social, mas esta atitude não é aceita aqui no “Entre Faces e Esperanças”, por isso, opinamos sem sombras ou neutralidades e, quem aqui nos lê pode até não ficar alegre, mas sabe perfeitamente quais são os assuntos que têm prioridade no blog e que aqui não se vende, não se compra, e tampouco há escambo de sonhos e de consciência política. 

Nossas postagens procuram estar temperadas por um vento poético e reflexivo, fazendo uma volta na política nacional, outra na política internacional e umas quantas frente a realidade social brasileira e a luta de classes. 

Um ótimo sábado a todos! 
Viva e (Con)Viva!

Raíssa M.Londero

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Veja esta: Oportunidades disfarçadas nas crises

Início dos ano 1930. O mundo vivia uma destruição de riqueza sem precedentes: entre 1929 e 1933, o Produto Interno Bruto dos Estados Unidos encolhera 45%. milhares de empresas fecharam as portas. Bancos, indústrias e negócios rurais reduziram drasticamente suas operações. Um em cada quatro trabalhadores perdeu o emprego. Mais de 12 milhões de americanos foram colocados na rua.
Em meio a essa turbulência, nos arredores da Peninsilvânia, o engenheiro Charles Darrow era uma das vítimas do desemprego. Confinado em uma casa sem nada para fazer, ele tentava distrair os filhos contando histórias e improvisando brincadeiras.
Certo dia, Charles recordou um passatempo interessante que havia conhecido no trabalho: um jogo divertido mas com regras complexas que simulava negociar imóveis por valores fictícios. Pensando em entreter as crianças enquanto a esposa preparava a refeição, ele começou a desenhar na toalha de mesa uma cidadezinha, com casas e prédios inspirados nas contruções da vizinhanç…

Reticências

Cheguei em casa ontem com uma sensação de pertencimento tão forte como a que somos capazes de sentir quando fazemos uma criança sorrir em um cenário de dor ou de tristeza. O dia estava nublado e eu estava esgotada, exausta, mas quando eu vi brilhar a presença dele o meu coração acelerou em disritmia.
De fato, aquela luz foi o que inaugurou o encanto, imagino que a sensação seja a mesma de estar em Paris, sentindo toda a elegância e a sedução daquelas Ruas poéticas e daquele ar familiar e deslumbrante. Sem previsibilidades ou pretensões e, simplesmente surpreender-se com a cintilância daquele pertencimento mágico e inominável.
Também já imaginei tomar um café com ele no mesmo lugar onde Beauvoir e Satre haviam se encontrado outrora.
Tive vontade!
Meus dias em São Paulo me levaram a percorrer caminhos novos e desconhecidos. No início fiquei um pouco atrapalhada com a velocidade de tudo e com poucos lugares tranqüilos para ficar, mas hoje procuro palavras para expressar a minha plenitude …

HAITI: O pais caribenho soterrado pela miséria, violência e agora pela desgraça estrutural

Meu país é doença em seu coração, todas as pessoas que têm no meu país vivem na rua – Jean Marc Fantaisie - 20 anos (Jovem haitiano, que reside na cidade de Jérémie, também conhecida como “A Cidade dos Poetas”. Jérémie é uma cidade rural do Haiti).


O Haiti é um país caribenho que se localiza no leste da América Central. Em 1492, os espanhóis ocuparam somente o lado oriental da ilha - atualmente República Dominicana – onde todos os índios da região foram mortos ou escravizados. Já o lado ocidental da ilha, onde hoje se localiza o Haiti, foi cedido aos franceses em 1697. Estes, por sua vez, passaram a cultivar cana de açúcar e a utilizar mão-de-obra escrava oriunda do continente africano. Em 1804 negros e mulatos haitianos travaram uma luta feroz contra os colonizadores franceses, que ficou conhecida como uma guerra de libertação nacional. Este movimento anti-racista e anti-colonial foi liderado pelo ex-escravo Toussaint L”Ouverture e, logo mais tarde, sob o comando de Jacques Dessal…