Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2011

Um retrato de uma sexta-feira à noite na Avenida Paulista, por outra perspectiva...

“Reza um pai nosso umas quantas vezes que passa”. Ouvi esta manifestação ontem à noite (25) na Avenida Paulista em São Paulo, de um morador de Rua abraçando uma criança - que eminentemente sentia muita dor. O fato de ontem ter sido um dia diferente para mim por ser o dia do aniversário e, sobretudo, por ter sido desafiante e importante desde as primeiras horas da manhã - olhar nas retinas nebulosas daquela criança e daquele suposto pai foi algo que me fez “congelar”.


Não consegui seguir em frente sem saber o que estava se passando. Também não senti "pena" porque a dupla não era digna disto e, tampouco senti vergonha de parar para conversar. O menino se chamava Pedro e o pai Valdir. A dor da criança era de fome e a do pai de tristeza.

O filho mais velho de Valdir está preso e condenado ha 44 anos, por vários delitos de furto. Antes de ser recolhido era artista plástico. O pai disse que “ele nunca matou ninguém”.

Valdir teve seus tempos de glória como músico. Mas um dia foi exc…

Sobre o preconceito nosso de todos os dias...

Dizem que a legislação em vigor de um país é sempre o reflexo do pensamento de seu povo num determinado período da sua história. Muito embora, certas normas sejam as mesmas durante séculos e, em contrapartida, existem outras que se tornam desatualizadas no decorrer dos anos, no Brasil, por exemplo, com relação ao preconceito - é fácil perceber o abismo que há entre a lei e a realidade.

Na Constituição Federal de 1988 está expresso que “constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: (...) promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e qualquer outras formas de discriminação (artigo 3º, inciso IV).
Preconceito? Não possuímos. O que temos é opinião formada, bem definida. Preconceito é o outro que tem...

Falamos sobre os políticos de uma forma geral após conhecer a carreira de um ou dois. Conhecemos tudo sobre os policiais, porque presenciamos um desvio de conduta de um agente em determinado local (ou mesmo, porque ficamos sabendo através …