Pular para o conteúdo principal

Dê gosto ao seu desejo!


Não sabia mais nada sobre a vida, ficou horas adentro tentando compreender o significado do desejo para Deleuse e Lacan, folhava o livro com um encantamento inédito. Deu gosto na existência e asas na imaginação das entrelinhas (sem estrelinhas).

Queria continuar se entrelaçando naquela linguagem tão interessante e febril. Estava sentindo tanta afinidade e inquietação, mas a sua outra realidade a chamava...

Do desejo para a ética e da ética para a "morte". E era só ter coragem para seguir viagem...

" Pensar na morte deveria ser exercício diário. Exatamente por que se morre é que se pode conferir intensidade a cada dia que se vive. Cada dia vivido é um dia a menos na trajetória terrena(...) Viver com ética e pensar sobre o que se acumula nesta breve trajetória terrena é dever ético que, bem exercido, faria com que as pessoas se relacionassem melhor. Deixassem as insignificâncias e o supérfluo para pensar no fundamental". (José Renato Nalini).

Resolvi aceitar o "convite" de Nalini e comecei a pensar na morte e na intensidade de cada dia que temos para viver. Primeiro, pensei naquilo que mais me dá alento e inspiração para seguir e, acredito que seja a idéia de encontrar a felicidade na imperfeição dentro do perfeito.

Gosto de desafios para viver e sei que são eles que intensificam cada dia da minha vida. O que me desanima é a palavra não reta, dita repetida, sem deslizamento - sem vida. É como um pensamento fechado pela verticalidade passiva. Ativa!

Tenho medo da indolência e não da morte. Não consigo viver sem poesia, sem amor para sonhar e sem o meu chimarrão ( meu ar no último suspiro).

E acho que antes da morte, há muita coisa interessante para se fazer, para ler, Paris para conhecer, um olhar sincero para partilhar em entrega plena, desafios para vencer, pessoas curiosas para conhecer, Cartola na vitrola para ouvir, intervalos para significar, salsa para dançar, fotografias para quando a dúvida insistir, etc.

Enfim, há muitas  surpresas e desejos contidos voando por aí...

Dê gosto ao seu desejo!

Raíssa M. Londero

Comentários

  1. Sómente,
    "...salsa para dançar, fotografias para quando a dúvida insistir..."
    Fernando Ramos

    ResponderExcluir
  2. Olá Raíssa!
    Acompanho o teu blog já algum tempo e me encanta a maneira com que voce escreve e coloca tuas idéias, as vezes sobre política, comportamento, amores, enfim, sentimentos. A internet é infinita, por ela viajamos muito e encontramos de tudo, mas nem tudo serve aos nosso olhos e ouvidos (ao coração menos ainda). O som e as imagens possíveis da rede mundial, na minha opinião, nem sempre são pareo para descrever o que voce com um inteligente, competente e sensível jogo de palavras é capaz de trasmitir. Como já havia dito outra vez , tenho MUITO orgulho de ter voce como amiga.
    Desejo que continue a escrever cada vez mais e mais, sempre procuro algo inteligente pra ler na rede, e invariávelmente encontro em teu blog!
    Um Grande abraço!! Parabéns
    Fernando Ramos
    Jornalista- Grupo RBS

    ResponderExcluir
  3. um bom jogo de palavras.

    ResponderExcluir
  4. Palavras cheias de sentidos e de afetos nas "entrelinhas". Toca feito um tambor. Estou feliz por ter achado este blog. Um êxtase de inspiração. Rio neste momento!

    ResponderExcluir
  5. Olá..sigo e leio sempre seu blog, tenho um selo pra você lá ..

    http://anasudre.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Veja esta: Oportunidades disfarçadas nas crises

Início dos ano 1930. O mundo vivia uma destruição de riqueza sem precedentes: entre 1929 e 1933, o Produto Interno Bruto dos Estados Unidos encolhera 45%. milhares de empresas fecharam as portas. Bancos, indústrias e negócios rurais reduziram drasticamente suas operações. Um em cada quatro trabalhadores perdeu o emprego. Mais de 12 milhões de americanos foram colocados na rua.
Em meio a essa turbulência, nos arredores da Peninsilvânia, o engenheiro Charles Darrow era uma das vítimas do desemprego. Confinado em uma casa sem nada para fazer, ele tentava distrair os filhos contando histórias e improvisando brincadeiras.
Certo dia, Charles recordou um passatempo interessante que havia conhecido no trabalho: um jogo divertido mas com regras complexas que simulava negociar imóveis por valores fictícios. Pensando em entreter as crianças enquanto a esposa preparava a refeição, ele começou a desenhar na toalha de mesa uma cidadezinha, com casas e prédios inspirados nas contruções da vizinhanç…

HAITI: O pais caribenho soterrado pela miséria, violência e agora pela desgraça estrutural

Meu país é doença em seu coração, todas as pessoas que têm no meu país vivem na rua – Jean Marc Fantaisie - 20 anos (Jovem haitiano, que reside na cidade de Jérémie, também conhecida como “A Cidade dos Poetas”. Jérémie é uma cidade rural do Haiti).


O Haiti é um país caribenho que se localiza no leste da América Central. Em 1492, os espanhóis ocuparam somente o lado oriental da ilha - atualmente República Dominicana – onde todos os índios da região foram mortos ou escravizados. Já o lado ocidental da ilha, onde hoje se localiza o Haiti, foi cedido aos franceses em 1697. Estes, por sua vez, passaram a cultivar cana de açúcar e a utilizar mão-de-obra escrava oriunda do continente africano. Em 1804 negros e mulatos haitianos travaram uma luta feroz contra os colonizadores franceses, que ficou conhecida como uma guerra de libertação nacional. Este movimento anti-racista e anti-colonial foi liderado pelo ex-escravo Toussaint L”Ouverture e, logo mais tarde, sob o comando de Jacques Dessal…

Dublinenses no Reponte de Maria

Dia desses comprei Dublinenses de James Joyce em uma edição “BestBolso” para ler e reler alguns contos nos intervalos dos dias, sobretudo, nos momentos de viagens no metrô, que têm sido insuportáveis pelo número de trocas que devo de fazer para conseguir chegar na estação mais próxima do meu destino. 

Antes da companhia de Joyce, tinha a impressão de que minha vida estava se passando mais dentro dos trens do que em qualquer outro lugar que eu preferisse ou desejasse estar. Não consigo suportar a falta de bom senso e a falta de olhos nos corações das pessoas.

Todos os dias, invariavelmente, alguém ultrapassa a primeira pessoa da fila e pára na sua frente sem qualquer constrangimento perante todos os outros. O empurra-empurra deixa as costas dos mais frágeis feito pontos de interrogações. Outro dia, um senhor entrou com um sacolão empurrando e as pessoas gritando de dor e ele dizia, “tem lugar pá todo mundo, tá vazio lá no meio, eu não to desrespeitando ninguém. A culpa é dos homi lá de B…