Pular para o conteúdo principal

Um retrato de uma sexta-feira à noite na Avenida Paulista, por outra perspectiva...

“Reza um pai nosso umas quantas vezes que passa”. Ouvi esta manifestação ontem à noite (25) na Avenida Paulista em São Paulo, de um morador de Rua abraçando uma criança - que eminentemente sentia muita dor. O fato de ontem ter sido um dia diferente para mim por ser o dia do aniversário e, sobretudo, por ter sido desafiante e importante desde as primeiras horas da manhã - olhar nas retinas nebulosas daquela criança e daquele suposto pai foi algo que me fez “congelar”.


Não consegui seguir em frente sem saber o que estava se passando. Também não senti "pena" porque a dupla não era digna disto e, tampouco senti vergonha de parar para conversar. O menino se chamava Pedro e o pai Valdir. A dor da criança era de fome e a do pai de tristeza.

O filho mais velho de Valdir está preso e condenado ha 44 anos, por vários delitos de furto. Antes de ser recolhido era artista plástico. O pai disse que “ele nunca matou ninguém”.

Valdir teve seus tempos de glória como músico. Mas um dia foi excluído da banda que cantava, a mulher morreu e o dinheiro se foi. Por muito tempo se virou como um diabo para sustentar a família. Teve muitos filhos e netos.

Na Rua onde ele mora, as crianças na miséria comem papelão molhado. As mães, “meninas”, desesperadamente, assistem. A polícia agora está atrás de seu outro filho. Se levarem mais esse, ele diz que morre. Considera-se um pai dedicado e não se conforma com os rumos da vida.

Na favela onde mora, morre gente todo dia. De fome, de doença, de tristeza. De vingança. Morre criança assassinada. Quem sobrevive fica calado. Queixar para quem, para quê?

Valdir negou o lanche que eu me propus a dar para eles. Pela comunicação percebi que era um homem inteligente. Falava muito bem e nem falava “mais” quando queria dizer “mas”. Precisava desabafar e penso que talvez provar que era um homem digno, pai de família.
Parece o fim dos tempos. Fiquei sem ter o que dizer (apenas parei para perguntar o nome deles e se eu podia ajudá-los e, tão somente isto).

Qual é o código de conduta que se pode exigir de alguém que convive nestas condições? Valdir tem muitas acusações a fazer, mas não existe um Tribunal para ouvi-lo. Enquanto isto, ele canta pelas Ruas da cidade para receber algum “troquinho”. Injustiça os talentos serem tão desperdiçados.

Aliás, em nosso País quase tudo se desperdiça. Pouco temos e logo nada teremos. Estamos longe das soluções. É difícil de aceitar a miséria, ela atesta a falência de todos nós.

Preciso ir, disse a eles. A criança me abanou sorrindo e quem partiu com as retinas nebulosas naquele instante fui eu.
Raíssa M. Londero

Comentários

  1. Raíssa, que maravilhosa crônica!
    Sempre te admirei muito. Para mim, tu fostes a aluna mais humana, inteligente, crítica e revolucionária que a Fadisma já teve!

    Como esquecer de ti subindo e descendo as escadarias sempre organizando eventos mto positivos p.o crescimento de todos!

    Agradeço, sinto saudades e desejo sucesso! Você merece mto!

    Beijo

    Ana Carolina

    ResponderExcluir
  2. Concordo plenamente com o cometário da Ana Carolina...não conheço voce da Fadisma, mas a conheço dos dias em que trabalhamos no Haiti. A tua preocupação com o direito das crianças, mulheres e homens daquele país..sei que seu sentimento e preocupação humanitária é permanente. Acima de tudo a minha maior admiração é pela sua luta e esperança de que um dia o mundo, as coisas possam ser diferentes pra melhor.
    Grande Raíssa...
    Bjs!!

    ResponderExcluir
  3. Olá Raíssa.
    Obrigado por compartilhar esse momento difícil; Tua sensibilidade e coragem são inspiradores.
    Doe-me de pensar os relatos que tu apresenta aqui, mas sei que a dor maior era a de Pedro!
    Forte abraço guria!
    Jorge

    ResponderExcluir
  4. Aninha, Fernando e Jorge: obrigada pela participação e pelo carinho. Sinto saudades de você.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Veja esta: Oportunidades disfarçadas nas crises

Início dos ano 1930. O mundo vivia uma destruição de riqueza sem precedentes: entre 1929 e 1933, o Produto Interno Bruto dos Estados Unidos encolhera 45%. milhares de empresas fecharam as portas. Bancos, indústrias e negócios rurais reduziram drasticamente suas operações. Um em cada quatro trabalhadores perdeu o emprego. Mais de 12 milhões de americanos foram colocados na rua.
Em meio a essa turbulência, nos arredores da Peninsilvânia, o engenheiro Charles Darrow era uma das vítimas do desemprego. Confinado em uma casa sem nada para fazer, ele tentava distrair os filhos contando histórias e improvisando brincadeiras.
Certo dia, Charles recordou um passatempo interessante que havia conhecido no trabalho: um jogo divertido mas com regras complexas que simulava negociar imóveis por valores fictícios. Pensando em entreter as crianças enquanto a esposa preparava a refeição, ele começou a desenhar na toalha de mesa uma cidadezinha, com casas e prédios inspirados nas contruções da vizinhanç…

Reticências

Cheguei em casa ontem com uma sensação de pertencimento tão forte como a que somos capazes de sentir quando fazemos uma criança sorrir em um cenário de dor ou de tristeza. O dia estava nublado e eu estava esgotada, exausta, mas quando eu vi brilhar a presença dele o meu coração acelerou em disritmia.
De fato, aquela luz foi o que inaugurou o encanto, imagino que a sensação seja a mesma de estar em Paris, sentindo toda a elegância e a sedução daquelas Ruas poéticas e daquele ar familiar e deslumbrante. Sem previsibilidades ou pretensões e, simplesmente surpreender-se com a cintilância daquele pertencimento mágico e inominável.
Também já imaginei tomar um café com ele no mesmo lugar onde Beauvoir e Satre haviam se encontrado outrora.
Tive vontade!
Meus dias em São Paulo me levaram a percorrer caminhos novos e desconhecidos. No início fiquei um pouco atrapalhada com a velocidade de tudo e com poucos lugares tranqüilos para ficar, mas hoje procuro palavras para expressar a minha plenitude …

HAITI: O pais caribenho soterrado pela miséria, violência e agora pela desgraça estrutural

Meu país é doença em seu coração, todas as pessoas que têm no meu país vivem na rua – Jean Marc Fantaisie - 20 anos (Jovem haitiano, que reside na cidade de Jérémie, também conhecida como “A Cidade dos Poetas”. Jérémie é uma cidade rural do Haiti).


O Haiti é um país caribenho que se localiza no leste da América Central. Em 1492, os espanhóis ocuparam somente o lado oriental da ilha - atualmente República Dominicana – onde todos os índios da região foram mortos ou escravizados. Já o lado ocidental da ilha, onde hoje se localiza o Haiti, foi cedido aos franceses em 1697. Estes, por sua vez, passaram a cultivar cana de açúcar e a utilizar mão-de-obra escrava oriunda do continente africano. Em 1804 negros e mulatos haitianos travaram uma luta feroz contra os colonizadores franceses, que ficou conhecida como uma guerra de libertação nacional. Este movimento anti-racista e anti-colonial foi liderado pelo ex-escravo Toussaint L”Ouverture e, logo mais tarde, sob o comando de Jacques Dessal…