Pular para o conteúdo principal

Sugestão do dia: Colocando a "cuca" para pensar as Relações Externas do Brasil e do Canadá no Haiti


Rio de Janeiro, Brasília e São Paulo serão contemplados entre os dias 16, 17 e 18 de junho com um grande Encontro promovido pelo Brasil e pelo Canadá acerca da participação destes Estados no país caribenho - Haiti. Com o objetivo de realizar uma análise profunda acerca da cooperação bilatral, multilateral e triangular, e também, para apresentar os resultados dos trabalhos realizados no Haiti, estarão presentes em mesas-redondas os seguintes palestrantes:

Ricardo Seitenfus (Representante da Organização dos Estados Americanos no Haiti)
Yasmine Shamsie (Universidade Wilfried Laurier, Canadá)
Suzy Castor (Centro de Pesquisa e de Formação Econômica e Social para o Desenvolvimento – CRESFED - Haiti)
Evandro Carvalho (Fundação Getúlio Vargas – Rio de Janeiro)
Gerson Borges (Marinha do Brasil e FGV/EBAPE)
Michael Harvey (Conselheiro, Embaixada do Canadá)
Gonçalo Mourão, Embaixador (Ministério das Relações Exteriores)
Antônio Jorge Ramalho (Universidade de Brasília)
Isabelle Fortin (Instituto Norte-Sul, Canadá)
Eiiti Sato (Universidade de Brasília)
Maria Herminia Tavares de Almeida (Universidade de São Paulo)

RIO DE JANEIRO
16 de junho (terça-feira)
09h às 11h
Local: Fundação Getúlio Vargas - FGV DIREITO RIO
Praia de Botafogo 190, 8º andar, Auditório 3
Informações: Maria Cristina Freitas
tel: (21) 3799-5425 ou e-mail maria.freitas@fgv.br.
www.direito-rio.fgv.br
Tema: Renovação ou reconstrução do Estado haitiano?

BRASÍLIA
17 de junho (quarta-feira)
manhã (evento reservado)
Local: Ministério das Relações Exteriores - Instituto Rio Branco
Tema: O adensamento das relações Brasil-Canadá a partir de uma experiência triangular: o Haiti

17 de junho (quarta-feira)
16h às 18h
Local: Universidade de Brasília, Instituto de Relações Internacionais - IREL
Edifício da FACE, Sala A1-04
Informações: IREL, tel.: (61) 3307-2426
Tema: A cooperação bilateral para segurança e desenvolvimento no Haiti


SÃO PAULO
18 de junho (quinta-feira)
17h30
Local: Universidade de São Paulo, Instituto de Relações Internacionais-IRI
Sala E-3 do Prédio da FEA-1
Av. Prof. Luciano Gualberto, 908, Cidade Universitária
São Paulo - SP
Informações: Secretaria do IRI/USP, Sra Elisabete, tel.: (11) 3091-5942.
Tema: Os cinco anos da MINUSTAH: um balanço.

Eis uma ótima sugestão de Encontro!

Comentários

  1. Parece bom.
    Pena que não estou por perto para ver.

    Não rola uma cobertura do evento?

    Visite, Comente, Adicione aos Favoritos:
    http://menumulher.wordpress.com

    Siga-nos no Twitter:
    http://twitter.com/menumulher

    ResponderExcluir
  2. Olá!

    Pois é, um rodada de reuniões. Muita teoria, muitos postulados, muito palavrório. Mas será que efetivamente teremos algo concreto para o Haiti? Algo além de uma intervenção?

    Me parece uma espécie de "prestação de contas" e acho interessante e bom que isso ocorra. Vamos ver se aparece algo de positivo no Haiti!

    abs!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Dublinenses no Reponte de Maria

Dia desses comprei Dublinenses de James Joyce em uma edição “BestBolso” para ler e reler alguns contos nos intervalos dos dias, sobretudo, nos momentos de viagens no metrô, que têm sido insuportáveis pelo número de trocas que devo de fazer para conseguir chegar na estação mais próxima do meu destino. 

Antes da companhia de Joyce, tinha a impressão de que minha vida estava se passando mais dentro dos trens do que em qualquer outro lugar que eu preferisse ou desejasse estar. Não consigo suportar a falta de bom senso e a falta de olhos nos corações das pessoas.

Todos os dias, invariavelmente, alguém ultrapassa a primeira pessoa da fila e pára na sua frente sem qualquer constrangimento perante todos os outros. O empurra-empurra deixa as costas dos mais frágeis feito pontos de interrogações. Outro dia, um senhor entrou com um sacolão empurrando e as pessoas gritando de dor e ele dizia, “tem lugar pá todo mundo, tá vazio lá no meio, eu não to desrespeitando ninguém. A culpa é dos homi lá de B…

Veja esta: Oportunidades disfarçadas nas crises

Início dos ano 1930. O mundo vivia uma destruição de riqueza sem precedentes: entre 1929 e 1933, o Produto Interno Bruto dos Estados Unidos encolhera 45%. milhares de empresas fecharam as portas. Bancos, indústrias e negócios rurais reduziram drasticamente suas operações. Um em cada quatro trabalhadores perdeu o emprego. Mais de 12 milhões de americanos foram colocados na rua.
Em meio a essa turbulência, nos arredores da Peninsilvânia, o engenheiro Charles Darrow era uma das vítimas do desemprego. Confinado em uma casa sem nada para fazer, ele tentava distrair os filhos contando histórias e improvisando brincadeiras.
Certo dia, Charles recordou um passatempo interessante que havia conhecido no trabalho: um jogo divertido mas com regras complexas que simulava negociar imóveis por valores fictícios. Pensando em entreter as crianças enquanto a esposa preparava a refeição, ele começou a desenhar na toalha de mesa uma cidadezinha, com casas e prédios inspirados nas contruções da vizinhanç…

HAITI: O pais caribenho soterrado pela miséria, violência e agora pela desgraça estrutural

Meu país é doença em seu coração, todas as pessoas que têm no meu país vivem na rua – Jean Marc Fantaisie - 20 anos (Jovem haitiano, que reside na cidade de Jérémie, também conhecida como “A Cidade dos Poetas”. Jérémie é uma cidade rural do Haiti).


O Haiti é um país caribenho que se localiza no leste da América Central. Em 1492, os espanhóis ocuparam somente o lado oriental da ilha - atualmente República Dominicana – onde todos os índios da região foram mortos ou escravizados. Já o lado ocidental da ilha, onde hoje se localiza o Haiti, foi cedido aos franceses em 1697. Estes, por sua vez, passaram a cultivar cana de açúcar e a utilizar mão-de-obra escrava oriunda do continente africano. Em 1804 negros e mulatos haitianos travaram uma luta feroz contra os colonizadores franceses, que ficou conhecida como uma guerra de libertação nacional. Este movimento anti-racista e anti-colonial foi liderado pelo ex-escravo Toussaint L”Ouverture e, logo mais tarde, sob o comando de Jacques Dessal…