Pular para o conteúdo principal

Amanhã, dêem flores às nossas crianças!


Amanhã, dia 12 de junho, simbolicamente é o dia de São Valentim, ou simplesmente o dia dos namorados...
Costumeiramente casais apaixonados se trocam presentes, bombons, flores, cartões românticos, combinam jantares especiais, firmam laços de felicidade e outros tantos sentimentos que fortalecem a união amorosa e irradiam prosperidade.
Mas, para todos aqueles que ainda não encontraram um grande amor, ou até encontraram, e por força das circunstâncias não estarão unidos nesse dia, terão motivos também para comemorar...
O dia 12 de junho é o dia mundial contra o trabalho infantil, é um dia de conscientização e reflexão frente à desumana condição em que vivem milhares de crianças que são violentadas diariamente em sua mais pura integridade.
Desde o ano de 2002, a OIT (Organização Internacional do Trabalho), com o intuito de mobilizar os Estados a não indiferença perante o trabalho infantil, adota este dia como uma forma de “acordar/alertar” os cidadãos cosmopolitas para tamanha desumanidade e agressividade que são submetidas nossas crianças.
Dentre as formas de exploração, visivelmente e não raramente somos confrontados aqui no Brasil com crianças e adolescentes, entre 5 e 17 anos de idade, trabalhando em lavouras, canaviais, nas ruas, em estoques de supermercados, em domicílios, em locais de prostituição, em lixões, enquanto catadores...enfim é revoltante saber que só no Brasil, estima-se que são cerca de 3 milhões de crianças trabalhando e que 70% da população laboral infantil, concentra-se na agricultura – área rural- que não propicia o acesso a educação, conforme dados do IBGE e o relatório das Nações Unidas.
Se esta data é um marco importante para o namoro, sinceramente eu não sei... sempre acreditei que namorar é transformar...é exercer todos os dias o amor na diferença, no respeito e na lealdade. Mas, que esta data adotada pela OIT foi um marco importante para o Brasil, isto eu não tenho dúvidas. No ano de 2007 a sociedade civil brasileira, liderada pelo Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil consolidou esta data por força da lei de n° 11.542 instituindo o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Infantil, e desde então têm potencializado os trabalhos frente a esta situação e compreendido que o principal escudo para este “buraco social” será resolvido através da educação.

Hoje lembro da 1° música que Milton Nascimento em meados dos anos 60 gravou para Elis Regina – Canção do sal –:

“Trabalhando o sal é amor é o suor que me sai
Vou viver cantando o dia tão quente que faz
Homem ver criança buscando conchinhas no mar
Trabalho o dia inteiro pra vida de gente levar
(...)
Filho vir da escola problema maior é o de estudar
Que é pra não ter meu trabalho e vida de gente levar”

Raíssa M.Londero

Comentários

  1. Com certeza, tinha que acabar com o trabalho infantil, lugar de criança é na escola, não no trabalho!! Criança tem que brincar, se divertir, não ficar trabalhando ocmo adulto, né?
    Parabéns pelo post, adorei!!
    Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Veja esta: Oportunidades disfarçadas nas crises

Início dos ano 1930. O mundo vivia uma destruição de riqueza sem precedentes: entre 1929 e 1933, o Produto Interno Bruto dos Estados Unidos encolhera 45%. milhares de empresas fecharam as portas. Bancos, indústrias e negócios rurais reduziram drasticamente suas operações. Um em cada quatro trabalhadores perdeu o emprego. Mais de 12 milhões de americanos foram colocados na rua.
Em meio a essa turbulência, nos arredores da Peninsilvânia, o engenheiro Charles Darrow era uma das vítimas do desemprego. Confinado em uma casa sem nada para fazer, ele tentava distrair os filhos contando histórias e improvisando brincadeiras.
Certo dia, Charles recordou um passatempo interessante que havia conhecido no trabalho: um jogo divertido mas com regras complexas que simulava negociar imóveis por valores fictícios. Pensando em entreter as crianças enquanto a esposa preparava a refeição, ele começou a desenhar na toalha de mesa uma cidadezinha, com casas e prédios inspirados nas contruções da vizinhanç…

Reticências

Cheguei em casa ontem com uma sensação de pertencimento tão forte como a que somos capazes de sentir quando fazemos uma criança sorrir em um cenário de dor ou de tristeza. O dia estava nublado e eu estava esgotada, exausta, mas quando eu vi brilhar a presença dele o meu coração acelerou em disritmia.
De fato, aquela luz foi o que inaugurou o encanto, imagino que a sensação seja a mesma de estar em Paris, sentindo toda a elegância e a sedução daquelas Ruas poéticas e daquele ar familiar e deslumbrante. Sem previsibilidades ou pretensões e, simplesmente surpreender-se com a cintilância daquele pertencimento mágico e inominável.
Também já imaginei tomar um café com ele no mesmo lugar onde Beauvoir e Satre haviam se encontrado outrora.
Tive vontade!
Meus dias em São Paulo me levaram a percorrer caminhos novos e desconhecidos. No início fiquei um pouco atrapalhada com a velocidade de tudo e com poucos lugares tranqüilos para ficar, mas hoje procuro palavras para expressar a minha plenitude …

HAITI: O pais caribenho soterrado pela miséria, violência e agora pela desgraça estrutural

Meu país é doença em seu coração, todas as pessoas que têm no meu país vivem na rua – Jean Marc Fantaisie - 20 anos (Jovem haitiano, que reside na cidade de Jérémie, também conhecida como “A Cidade dos Poetas”. Jérémie é uma cidade rural do Haiti).


O Haiti é um país caribenho que se localiza no leste da América Central. Em 1492, os espanhóis ocuparam somente o lado oriental da ilha - atualmente República Dominicana – onde todos os índios da região foram mortos ou escravizados. Já o lado ocidental da ilha, onde hoje se localiza o Haiti, foi cedido aos franceses em 1697. Estes, por sua vez, passaram a cultivar cana de açúcar e a utilizar mão-de-obra escrava oriunda do continente africano. Em 1804 negros e mulatos haitianos travaram uma luta feroz contra os colonizadores franceses, que ficou conhecida como uma guerra de libertação nacional. Este movimento anti-racista e anti-colonial foi liderado pelo ex-escravo Toussaint L”Ouverture e, logo mais tarde, sob o comando de Jacques Dessal…