Pular para o conteúdo principal

Qual a finalidade da pena?


Ainda em 2008, fui desafiada, juntamente com meus colegas, a responder esta pergunta em uma aula extremamente instigante de direito penal... Lembro que o professor falava com bastante propriedade sobre erro de ilicitude, sobre as causas excludentes da culpabilidade e... entre um “chimarrão” e outro ele se escorou na parede com a cuia e nos questionou: “ o que vocês pensam a respeito da pena? Qual a finalidade da pena?“ . Alguns responderam de imediato qualquer coisa sobre a “punição” do bandido, sendo ela legitimada através da privação da liberdade ou até mesmo pela morte. Alguns ficaram quietos...eu fazia parte deste time.
Só depois de um mês resolvi procurar o professor para responder essa pergunta através do viés da Justiça Restaurativa, mas uma possível “resposta” foi abafada pela multiplicidade de perguntas que foram surgindo...

Da discussão na lanchonete, sem conteúdo programático, ficou-nos a certeza de uma coisa: o sistema carcerário não cumpre sua função de ressocialização.

O argentino especialista em criminologia Carlos Alberto Elbert, em 2003 afirmou que o castigo, tal como é imposto hoje em nossos países ocasiona poucos casos que permitam falar de ressocialização e milhares que permitem provar os processos de deterioração, de destruição da identidade e da auto-estima, que se gera no encarceramento, se é que não se quantificam diretamente as mortes que ocorrem no curso dos cumprimentos das penas.

Ora, sabemos que liberdade e segurança são dois desejos que estão presentes simbolicamente na vida cotidiana de qualquer cidadão, independentemente de sua cultura e ou nação. Todos desejam ser livres e seguros nas suas relações sociais, no entanto, sabemos que, independente do índice de desenvolvimento humano de determinado país, não existem dados comprovando que há países totalmente sem violência. Assim, os Estados organizam-se através de suas instituições jurídicas, políticas e sociais, desenvolvem políticas públicas, projetos pilotos, entre outros, com o objetivo de proporcionar atividades eficientes e precursoras para o bem-estar social das suas populações.

No Brasil, aonde o processo criminal encontra-se deteriorado pelo impulso da vingança e pela medieval concepção de olhar o crime direcionado para o passado e não para o futuro, não raramente ouvimos afirmações de que as pessoas devem receber a pena de acordo com as conseqüências de seus atos - “aquilo que merecem” – mas, o que merecem é o sofrimento físico ou moral? Ou alguém ainda acredita que a punição que priva os seres humanos de suas liberdades - os sistemas carcerários - cumpre com as suas funções dissuasórias e ou de ressocialização?

O estado de São Paulo - o mais rico da federação - governado hoje por José Serra está sendo contemplado com uma política de segurança pública massiva, com a meta de construir 50 presídios no interior deste estado até o final de mandato - inclusive em cidades aonde o índice de homicídios é quase zero, como Jardinópolis.

Em contrapartida, os Juízes de Execução Criminal do Rio Grande do Sul decidiram majoritariamente e recentemente por não expedir mandados de prisão contra condenados que responderam ao processo em liberdade, nas Comarcas onde houver estabelecimento superlotado. A juíza Adriana da Silva Ribeiro em entrevista afirma que esta decisão pode gerar na sociedade uma sensação de impunidade, porém, ela diz que na realidade o Estado - enquanto executor das penas privativas de liberdade não está sendo eficiente na ressocialização e que a prisão torna-se somente um meio de contenção e, como lá dentro há crime organizado e facções, colocar cada vez mais apenados no sistema atual é o que acaba por aumentar a criminalidade, uma vez que eles continuam comandando o crime dentro das cadeias.

Raíssa M.Londero

Comentários

  1. Esta era uma duvida minha.
    Do que vale 30 anos, se depois de tantos recusros, o cara cumpre 5?
    Pq não então 10 anos sem recurso nenhum??

    Vá entender.

    Belo post.
    :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Veja esta: Oportunidades disfarçadas nas crises

Início dos ano 1930. O mundo vivia uma destruição de riqueza sem precedentes: entre 1929 e 1933, o Produto Interno Bruto dos Estados Unidos encolhera 45%. milhares de empresas fecharam as portas. Bancos, indústrias e negócios rurais reduziram drasticamente suas operações. Um em cada quatro trabalhadores perdeu o emprego. Mais de 12 milhões de americanos foram colocados na rua.
Em meio a essa turbulência, nos arredores da Peninsilvânia, o engenheiro Charles Darrow era uma das vítimas do desemprego. Confinado em uma casa sem nada para fazer, ele tentava distrair os filhos contando histórias e improvisando brincadeiras.
Certo dia, Charles recordou um passatempo interessante que havia conhecido no trabalho: um jogo divertido mas com regras complexas que simulava negociar imóveis por valores fictícios. Pensando em entreter as crianças enquanto a esposa preparava a refeição, ele começou a desenhar na toalha de mesa uma cidadezinha, com casas e prédios inspirados nas contruções da vizinhanç…

Dublinenses no Reponte de Maria

Dia desses comprei Dublinenses de James Joyce em uma edição “BestBolso” para ler e reler alguns contos nos intervalos dos dias, sobretudo, nos momentos de viagens no metrô, que têm sido insuportáveis pelo número de trocas que devo de fazer para conseguir chegar na estação mais próxima do meu destino. 

Antes da companhia de Joyce, tinha a impressão de que minha vida estava se passando mais dentro dos trens do que em qualquer outro lugar que eu preferisse ou desejasse estar. Não consigo suportar a falta de bom senso e a falta de olhos nos corações das pessoas.

Todos os dias, invariavelmente, alguém ultrapassa a primeira pessoa da fila e pára na sua frente sem qualquer constrangimento perante todos os outros. O empurra-empurra deixa as costas dos mais frágeis feito pontos de interrogações. Outro dia, um senhor entrou com um sacolão empurrando e as pessoas gritando de dor e ele dizia, “tem lugar pá todo mundo, tá vazio lá no meio, eu não to desrespeitando ninguém. A culpa é dos homi lá de B…

HAITI: O pais caribenho soterrado pela miséria, violência e agora pela desgraça estrutural

Meu país é doença em seu coração, todas as pessoas que têm no meu país vivem na rua – Jean Marc Fantaisie - 20 anos (Jovem haitiano, que reside na cidade de Jérémie, também conhecida como “A Cidade dos Poetas”. Jérémie é uma cidade rural do Haiti).


O Haiti é um país caribenho que se localiza no leste da América Central. Em 1492, os espanhóis ocuparam somente o lado oriental da ilha - atualmente República Dominicana – onde todos os índios da região foram mortos ou escravizados. Já o lado ocidental da ilha, onde hoje se localiza o Haiti, foi cedido aos franceses em 1697. Estes, por sua vez, passaram a cultivar cana de açúcar e a utilizar mão-de-obra escrava oriunda do continente africano. Em 1804 negros e mulatos haitianos travaram uma luta feroz contra os colonizadores franceses, que ficou conhecida como uma guerra de libertação nacional. Este movimento anti-racista e anti-colonial foi liderado pelo ex-escravo Toussaint L”Ouverture e, logo mais tarde, sob o comando de Jacques Dessal…