Pular para o conteúdo principal

Dublinenses no Reponte de Maria


Dia desses comprei Dublinenses de James Joyce em uma edição “BestBolso” para ler e reler alguns contos nos intervalos dos dias, sobretudo, nos momentos de viagens no metrô, que têm sido insuportáveis pelo número de trocas que devo de fazer para conseguir chegar na estação mais próxima do meu destino. 

Antes da companhia de Joyce, tinha a impressão de que minha vida estava se passando mais dentro dos trens do que em qualquer outro lugar que eu preferisse ou desejasse estar. Não consigo suportar a falta de bom senso e a falta de olhos nos corações das pessoas.

Todos os dias, invariavelmente, alguém ultrapassa a primeira pessoa da fila e pára na sua frente sem qualquer constrangimento perante todos os outros. O empurra-empurra deixa as costas dos mais frágeis feito pontos de interrogações. Outro dia, um senhor entrou com um sacolão empurrando e as pessoas gritando de dor e ele dizia, “tem lugar pá todo mundo, tá vazio lá no meio, eu não to desrespeitando ninguém. A culpa é dos homi lá de Brasília. Faz uma semana mesmo que tomei um tiro no calcanhar”. Metade do trem sentiu medo e fingiu que não escutou (mulheres, crianças, os dos “fones”, os conformados e os mais experientes) e a outra metade saiu em defesa da honra própria e de terceiros: "deixa ele sair pra ver", era o que diziam.

Reler os contos de Joyce é praticar sempre um exercício de experimentar a própria realidade, na sua essência - tal qual ela é e, ao mesmo tempo, se deitar no macio da cama de uma pensão com janelas de madeiras amareladas que proporcionam uma visão para árvores centenárias, olhar o enigma do proibido sobre frestas de uma esquina comum e contemplada pela pouca movimentação, imaginar o retorno do homem desiludido e moralista capaz para o riso, para o patético e até mesmo para o cafona, viajar no meu mundo pelo simbolismo das imagens e palavras construídas pelo autor.

Dentre as coisas fantásticas e motivantes da literatura, acho que esta é uma das maiores. 
Raíssa M. Londero

Comentários

  1. É uma viagem, adorei!!! Saudades Raíssa!!!

    ResponderExcluir
  2. ...ao mesmo tempo, se deitar no macio da cama de uma pensão com janelas de madeiras amareladas que proporcionam uma visão para árvores centenárias, olhar o enigma do proibido sobre frestas de uma esquina comum e contemplada pela pouca movimentação...

    Obrigado pelo texto.Grande abraço, Saudades!!!

    Fernando Ramos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Veja esta: Oportunidades disfarçadas nas crises

Início dos ano 1930. O mundo vivia uma destruição de riqueza sem precedentes: entre 1929 e 1933, o Produto Interno Bruto dos Estados Unidos encolhera 45%. milhares de empresas fecharam as portas. Bancos, indústrias e negócios rurais reduziram drasticamente suas operações. Um em cada quatro trabalhadores perdeu o emprego. Mais de 12 milhões de americanos foram colocados na rua.
Em meio a essa turbulência, nos arredores da Peninsilvânia, o engenheiro Charles Darrow era uma das vítimas do desemprego. Confinado em uma casa sem nada para fazer, ele tentava distrair os filhos contando histórias e improvisando brincadeiras.
Certo dia, Charles recordou um passatempo interessante que havia conhecido no trabalho: um jogo divertido mas com regras complexas que simulava negociar imóveis por valores fictícios. Pensando em entreter as crianças enquanto a esposa preparava a refeição, ele começou a desenhar na toalha de mesa uma cidadezinha, com casas e prédios inspirados nas contruções da vizinhanç…

HAITI: O pais caribenho soterrado pela miséria, violência e agora pela desgraça estrutural

Meu país é doença em seu coração, todas as pessoas que têm no meu país vivem na rua – Jean Marc Fantaisie - 20 anos (Jovem haitiano, que reside na cidade de Jérémie, também conhecida como “A Cidade dos Poetas”. Jérémie é uma cidade rural do Haiti).


O Haiti é um país caribenho que se localiza no leste da América Central. Em 1492, os espanhóis ocuparam somente o lado oriental da ilha - atualmente República Dominicana – onde todos os índios da região foram mortos ou escravizados. Já o lado ocidental da ilha, onde hoje se localiza o Haiti, foi cedido aos franceses em 1697. Estes, por sua vez, passaram a cultivar cana de açúcar e a utilizar mão-de-obra escrava oriunda do continente africano. Em 1804 negros e mulatos haitianos travaram uma luta feroz contra os colonizadores franceses, que ficou conhecida como uma guerra de libertação nacional. Este movimento anti-racista e anti-colonial foi liderado pelo ex-escravo Toussaint L”Ouverture e, logo mais tarde, sob o comando de Jacques Dessal…