Pular para o conteúdo principal

Sobre a Terra Indígena Raposa Serra do Sol em Roraima


“Uma cultura é, para os membros da comunidade que a vivem, um âmbito de verdades evidentes que não requerem justificação e cujo fundamento não se vê nem se investiga, ao menos que, no devir dessa comunidade, surja um conflito cultural que leve a tal reflexão. Esta última é a nossa situação atual” (Humberto Maturana )

Situada no nordeste do estado de Roraima, a terra indígena Raposa Serra do Sol é uma das maiores terras indígenas do país, com cerca de 1,7 milhões de hectares e abriga atualmente cerca de 20 mil índios de cinco etnias diferentes, quais sejam: macuxi, uapixanas, ingaricós, taurepangues e patamonas.
No ano de 2005 o presidente da República, Luis Inácio Lula da Silva homologou através do Decreto n°: 1775/96 a demarcação da terra indígena que em 1993 foi identificada pela FUNAI. Tal Decreto objetivou primordialmente a desocupação da terra pelos “não-índios”.
Os principais sujeitos ocupantes destas terras indígenas foram os produtores de arroz. Estes na década de 70 haviam comprado aproximadamente 100 mil hectares de antigos fazendeiros, e atualmente produziam cerca de 160 mil toneladas de grãos por ano, já que a região tem uma facilidade incomparável na utilização de água para a irrigação do arroz. São, portanto os principais atores na economia de Roraima e não surpreendentemente foi o grupo de ocupantes, apoiados pelo governo local, que manteve maior resistência frente à ordem de desocupação, ora por utilizarem a terra com o princípio da boa-fé, movimentando a economia daquele estado e conseqüentemente desenvolvendo uma política agrícola avançada frente à atual conjuntura política e econômica do país, ora por terem adquirido legitimidade de posse nas terras, comprando a muitos anos atrás de fazendeiros locais.
Mas após 30 anos de conflitos entre indígenas, rizicultores e ocupantes ilegais, por posse na Raposa Serra do Sol, o último mês de junho foi um marco histórico para cerca de 19 mil índios que lutaram pela exclusividade desta terra e resistiram à ataques de fazendeiros. Hoje, sob a posse exclusiva – uma das maiores comunidades indígenas do nosso país que ainda não fora vencida por quaisquer políticas do medo e da discriminação – terá a chance de provar à “sociedade civilizada” que a distinção entre seres humanos, habitantes de um mesmo espaço geográfico, pode ser a contramão “em negrito e maiúsculo” do sentido da palavra alteridade.

Alguém consegue reviver na memória as crueldades pré-históricas com que estes mesmos índios sofreram o ano passado?

Fazendeiros encapuzados invadiram a reserva e lançaram sobre uma aglomeração de indígenas, bombas incendiárias, ferindo desumanamente e covardemente dezenas deles...

Recordo minimamente das redes televisivas terem exibido este episódio e outros referentes ao conflito... lembro que foram feitas algumas “chamadas” rápida no Jornal Nacional sob a apresentação da jornalista Fátima Bernardes...mas não tenho dúvidas de que as Olimpíadas de Pequim ascendiam minuto a minuto um “fogo” muito mais atraente nos telespectadores e nos meios de comunicação em geral do que a questão da violação dos direitos humanos destes indígenas. Era uma “tentação” visivelmente desequilibrada...
Mas os indígenas da Terra Raposa Serra do Sol conseguiram a primeira colocação no pódio, digo, no relatório anual da Organização não-governamental Anistia internacional, que brilhantemente observa e acusa às constantes violações dos Direitos Humanos no mundo. Neste caso em especial, quem recebeu às “culpas” em primeiro plano foi a justiça brasileira que atrasou o processo de demarcação das terras.
Hoje os índios sob a posse exclusiva das terras, começam a se reunir em Assembléias e meios democráticos entre eles para decidir quais serão as estratégias de reocupação e quais serão os projetos de sustentabilidade que seguirão...
O jornal Agência Folha da cidade de Porto Alegre já divulgou a notícia de que o MST do Rio Grande do Sul já fez parceria com estes indígenas ainda no ano passado quando o STF decidiu pela saída dos não-indígenas daquela reserva. O Movimento gaúcho garantiu que a parceria se restringirá na cooperação para a produção agrícola – serão enviadas sacas de sementes de arroz orgânico para os índios. Em entrevista, o dirigente nacional do MST, Cedenir de Oliveira afirma: "Não vamos interferir na organização e na autonomia dos povos indígenas. Vamos enviar as sementes e, caso eles [os índios] considerem necessário, poderemos pôr à disposição um técnico ou um agricultor para acompanhar o plantio".

Seguimos então acompanhando a comunidade indígena da Raposa Serra do Sol...suas divergências culturais nas negociações e nas estratégias.
Quais serão os princípios políticos e morais basilares que eles irão adotar? E qual será o efeito das influências externas?

Buenas, até outro dia...
Raíssa M. Londero

Comentários

  1. Mentem descaradamente.
    O laudo antropológico que deu origem A demarcação era altamente vicioso.
    A cultura indígena que dizem querer proteger já não existia mais.
    Isto tudo é uma manobra estrangeira para dividir o Brasil. GF

    ResponderExcluir
  2. Mais uma vez, muito bom Raíssa!
    Saudações socialistas e revolucionárias!
    Alessandra Marques

    ResponderExcluir
  3. Realmente como você informou, as notícias de olimpíadas, panamericanos, copas do mundo e afins acabam abrandando o calor de causas tão importantes quanto esta. Talvez se a mídia desse a devida importância, a resolução seria mais rápida. Bom saber que nesse caso, os índios levaram a melhor, mesmo depois de décadas de injustiça.

    ResponderExcluir
  4. É mais uma caso de conflito entre as tradições e o que se chama de evolução. Choques culturais onde o mais forte busca a todo curso suprimir a cultura "primitiva" dos índios.

    ResponderExcluir
  5. Conseguir aglomerar biologia, filosofia e sociologia, trazendo a reflexão de Humbertho para a questão antropológica e política desta demarcação indígena, só me faz perceber que aí pulsa uma "pequena" Grande Raíssa...
    Parabéns menina,

    Cássio

    ResponderExcluir
  6. Eu sei que pode parecer bizarro, mas eu simplesmente tenho medo de índios. Às vezes, acredito que elas vivam num mundo à parte, como se nós e eles não estivéssemos vivendo a mesma época.
    Acho, porém, extremamente justo que eles mantenham suas terras e que a cultura branca não interfira na deles.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Veja esta: Oportunidades disfarçadas nas crises

Início dos ano 1930. O mundo vivia uma destruição de riqueza sem precedentes: entre 1929 e 1933, o Produto Interno Bruto dos Estados Unidos encolhera 45%. milhares de empresas fecharam as portas. Bancos, indústrias e negócios rurais reduziram drasticamente suas operações. Um em cada quatro trabalhadores perdeu o emprego. Mais de 12 milhões de americanos foram colocados na rua.
Em meio a essa turbulência, nos arredores da Peninsilvânia, o engenheiro Charles Darrow era uma das vítimas do desemprego. Confinado em uma casa sem nada para fazer, ele tentava distrair os filhos contando histórias e improvisando brincadeiras.
Certo dia, Charles recordou um passatempo interessante que havia conhecido no trabalho: um jogo divertido mas com regras complexas que simulava negociar imóveis por valores fictícios. Pensando em entreter as crianças enquanto a esposa preparava a refeição, ele começou a desenhar na toalha de mesa uma cidadezinha, com casas e prédios inspirados nas contruções da vizinhanç…

Reticências

Cheguei em casa ontem com uma sensação de pertencimento tão forte como a que somos capazes de sentir quando fazemos uma criança sorrir em um cenário de dor ou de tristeza. O dia estava nublado e eu estava esgotada, exausta, mas quando eu vi brilhar a presença dele o meu coração acelerou em disritmia.
De fato, aquela luz foi o que inaugurou o encanto, imagino que a sensação seja a mesma de estar em Paris, sentindo toda a elegância e a sedução daquelas Ruas poéticas e daquele ar familiar e deslumbrante. Sem previsibilidades ou pretensões e, simplesmente surpreender-se com a cintilância daquele pertencimento mágico e inominável.
Também já imaginei tomar um café com ele no mesmo lugar onde Beauvoir e Satre haviam se encontrado outrora.
Tive vontade!
Meus dias em São Paulo me levaram a percorrer caminhos novos e desconhecidos. No início fiquei um pouco atrapalhada com a velocidade de tudo e com poucos lugares tranqüilos para ficar, mas hoje procuro palavras para expressar a minha plenitude …

HAITI: O pais caribenho soterrado pela miséria, violência e agora pela desgraça estrutural

Meu país é doença em seu coração, todas as pessoas que têm no meu país vivem na rua – Jean Marc Fantaisie - 20 anos (Jovem haitiano, que reside na cidade de Jérémie, também conhecida como “A Cidade dos Poetas”. Jérémie é uma cidade rural do Haiti).


O Haiti é um país caribenho que se localiza no leste da América Central. Em 1492, os espanhóis ocuparam somente o lado oriental da ilha - atualmente República Dominicana – onde todos os índios da região foram mortos ou escravizados. Já o lado ocidental da ilha, onde hoje se localiza o Haiti, foi cedido aos franceses em 1697. Estes, por sua vez, passaram a cultivar cana de açúcar e a utilizar mão-de-obra escrava oriunda do continente africano. Em 1804 negros e mulatos haitianos travaram uma luta feroz contra os colonizadores franceses, que ficou conhecida como uma guerra de libertação nacional. Este movimento anti-racista e anti-colonial foi liderado pelo ex-escravo Toussaint L”Ouverture e, logo mais tarde, sob o comando de Jacques Dessal…