Pular para o conteúdo principal

A integração na União Européia sob o prisma da alteridade: repercussão dos direitos dos ciganos



Violação dos direitos humanos e abuso de direitos civis. Esta é a frase que resume as situações constrangedoras e de preconceito com que o povo cigano, não raramente, tem sofrido em países europeus que integram do bloco econômico da União Européia.

Em julho deste ano, o governo francês promoveu a deportação e a destruição de acampamentos de cerca de oito mil ciganos que migraram da Romênia e da Bulgária em busca de emprego, violentando, assim, um dos princípios basilares da União Européia, que é a livre movimentação de pessoas e a livre circulação de mercadorias.

A Comissão Européia repudiou tal deportação promovida pela França e, em resposta a esta atitude, deu sinais de que poderia entrar com uma ação legal contra Paris, o que causaria àquele país severas sanções por conta de sua conduta. Da mesma forma, o Comitê para a eliminação da discriminação racial da ONU além de repudiar publicamente a postura intransigente adotada pela França fez um apelo para que fosse evitada a expulsão dos ciganos, uma vez que não houve consentimento livre e esclarecido.

Não bastasse isto, outro fato lamentável e que vai à contramão da integração dos povos é a criação de um muro de dois metros de altura e aproximadamente 100 metros de comprimento na cidade de Beja, em Portugal, que separa aproximadamente 50 famílias ciganas com cidadania portuguesa do restante da população. 

Oficialmente as autoridades portuguesas justificaram a criação do muro sob o argumento de que tal providência ofereceria maior proteção às crianças que moram na região, uma vez que próximo ao local existe uma estrada sem passagem para pedestres.

No entanto, tal justificativa rasa não merece prosperar, tendo em vista que se a finalidade fosse a proteção das crianças ciganas, a lógica seria a criação de uma faixa para pedestres e não um símbolo medieval de segregação de povos e culturas. 

O povo cigano, além de ser economicamente marginalizados naquele continente, historicamente carrega consigo estigmas, fundado em simples preconceito. Não raro os ciganos são identificados como “preguiçosos”, “ladrões”, “sujos”, entre tantas outras marcas negativas que desqualificam e desvalorizam a identidade cultural daquele povo dentro da União Européia.

Assim, cabe ressaltar, que a liberdade e a justiça são valores consolidados pelos Estados-Membros da União Européia e, por isto, a integração além de ser econômica deve ser também, uma integração fundamentada na alteridade e na aceitação da diferença de novos valores, para que haja, de fato, a construção de uma identidade plural e de uma construção comunitária e humanitária.  
Raíssa M. Londero

Comentários

  1. Espero realmente que o "Povo Cigano " também seja considerado e tratado como integrante da comunidade européia... a cultura deles a séculos faz parte da vida do antigo continente...é um hipocrisia o que a França, Portugal e outros estão fazendo com eles.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Veja esta: Oportunidades disfarçadas nas crises

Início dos ano 1930. O mundo vivia uma destruição de riqueza sem precedentes: entre 1929 e 1933, o Produto Interno Bruto dos Estados Unidos encolhera 45%. milhares de empresas fecharam as portas. Bancos, indústrias e negócios rurais reduziram drasticamente suas operações. Um em cada quatro trabalhadores perdeu o emprego. Mais de 12 milhões de americanos foram colocados na rua.
Em meio a essa turbulência, nos arredores da Peninsilvânia, o engenheiro Charles Darrow era uma das vítimas do desemprego. Confinado em uma casa sem nada para fazer, ele tentava distrair os filhos contando histórias e improvisando brincadeiras.
Certo dia, Charles recordou um passatempo interessante que havia conhecido no trabalho: um jogo divertido mas com regras complexas que simulava negociar imóveis por valores fictícios. Pensando em entreter as crianças enquanto a esposa preparava a refeição, ele começou a desenhar na toalha de mesa uma cidadezinha, com casas e prédios inspirados nas contruções da vizinhanç…

HAITI: O pais caribenho soterrado pela miséria, violência e agora pela desgraça estrutural

Meu país é doença em seu coração, todas as pessoas que têm no meu país vivem na rua – Jean Marc Fantaisie - 20 anos (Jovem haitiano, que reside na cidade de Jérémie, também conhecida como “A Cidade dos Poetas”. Jérémie é uma cidade rural do Haiti).


O Haiti é um país caribenho que se localiza no leste da América Central. Em 1492, os espanhóis ocuparam somente o lado oriental da ilha - atualmente República Dominicana – onde todos os índios da região foram mortos ou escravizados. Já o lado ocidental da ilha, onde hoje se localiza o Haiti, foi cedido aos franceses em 1697. Estes, por sua vez, passaram a cultivar cana de açúcar e a utilizar mão-de-obra escrava oriunda do continente africano. Em 1804 negros e mulatos haitianos travaram uma luta feroz contra os colonizadores franceses, que ficou conhecida como uma guerra de libertação nacional. Este movimento anti-racista e anti-colonial foi liderado pelo ex-escravo Toussaint L”Ouverture e, logo mais tarde, sob o comando de Jacques Dessal…

Reticências

Cheguei em casa ontem com uma sensação de pertencimento tão forte como a que somos capazes de sentir quando fazemos uma criança sorrir em um cenário de dor ou de tristeza. O dia estava nublado e eu estava esgotada, exausta, mas quando eu vi brilhar a presença dele o meu coração acelerou em disritmia.
De fato, aquela luz foi o que inaugurou o encanto, imagino que a sensação seja a mesma de estar em Paris, sentindo toda a elegância e a sedução daquelas Ruas poéticas e daquele ar familiar e deslumbrante. Sem previsibilidades ou pretensões e, simplesmente surpreender-se com a cintilância daquele pertencimento mágico e inominável.
Também já imaginei tomar um café com ele no mesmo lugar onde Beauvoir e Satre haviam se encontrado outrora.
Tive vontade!
Meus dias em São Paulo me levaram a percorrer caminhos novos e desconhecidos. No início fiquei um pouco atrapalhada com a velocidade de tudo e com poucos lugares tranqüilos para ficar, mas hoje procuro palavras para expressar a minha plenitude …