Pular para o conteúdo principal

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul negou reconhecimento de união estável entre padre e mulher que mantiveram relações afetivas por 30 anos

Foi disponibilizado no dia 05 de abril deste ano no website do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul  um julgado da 8° Câmara Cível que não reconheceu o vínculo de união estável entre uma mulher e um padre – já falecido no ano de 2007.
Em primeira instância, o pedido feito pela mulher foi julgado improcedente, não sendo reconhecida a entidade familiar ora pleiteada.  Acerca desta decisão proferida pelo Juízo da 2° Vara de Família e Sucessões de Porto Alegre, foi interposto recurso de apelação ao Tribunal a fim de que fosse reformada a sentença.
Ela sustentou que eles mantiveram relações afetivas por 30 anos e que o sacerdote preferiu manter o relacionamento em reservado para que pudesse continuar na profissão de ministro da Igreja, no entanto, a convivência entre os dois era notória pelos familiares e também pelos vizinhos.
Do recurso de apelação, foi negado o reconhecimento da união estável por dois votos a um.
Os Desembargadores Claudir Fidélis Faccenda e Luiz Ari Azambuja Ramos entenderam que não cabe o reconhecimento de união estável para este caso, uma vez que não houve publicidade na convivência entre a mulher e o padre, o que estaria indo de encontro com o artigo 1.723, caput do Código Civil, que diz:

Artigo 1723 CC – É reconhecida como entidade familiar a união estável entre o homem e a mulher, configurada na convivência pública, continua e duradoura e estabelecida com o objetivo de constituição de família.

E também a Lei Federal n° 9. 278 de 1996 que ratifica o reconhecimento da entidade familiar como a convivência duradoura, pública e contínua, de um homem e uma mulher, estabelecida com objetivo de constituição de família.
Assim, o requisito da publicidade, traduzido no fato de que a relação afetiva não pode ser às ocultas, mas aberta a possibilidade de conhecimento público, descaracterizou a entidade familiar ora em discussão.
Faccenda em seu voto disse: 


A respeito da alegada publicidade do relacionamento, o que se observa pelas fotografias e pela prova oral, é que a mesma se dava em caráter restrito, ou seja, apenas no âmbito da família da recorrente ou na companhia de alguns poucos amigos os quais permitiam ter conhecimento da relação, o que não traduz o verdadeiro conceito de público.
Quando a lei fala em publicidade do relacionamento, a mesma não pode ser limitada. Pelo contrário, deve ser ampla e irrestrita para que chegue ao conhecimento de tantas pessoas quanto possível e em todos os lugares públicos – não é porque o casal frequentava locais adredemente escolhidos em razão do impedimento (legal e moral) do de cujus, que estaria suprido o requisito do art. 1.723 do CC - convivência pública.

O Desembargador Rui Portanova, com voto minoritário, defendeu que a união estável entre os dois se mostrou “escancarada” e que a durabilidade de quase 30 anos de envolvimento afetivo não deixou dúvidas sobre a configuração da formação da entidade familiar da união estável.
Comparou o requisito da publicidade com o requisito da diversidade de sexos que faz referência a possibilidade de união estável somente entre heterossexuais. Este requisito, por sua vez,  está sendo vencido por lutas diárias dos defensores das relações homoafetivas, ou simplesmente,  da união entre pessoas do mesmo sexo que progressivamente já vem sendo reconhecido a importância da proteção dos direitos destes até mesmo no âmbito previdênciário.

No seu voto, Rui Portanova enfatizou que temos que pensar de acordo com a situação em relação aos homossexuais, por exemplo, há uma forma de analisar os requisitos da união estável na perspectiva de um casal homossexual - não é o mesmo tipo de publicidade, não é o mesmo tipo de fidelidade, não é o mesmo tipo de constituição de família.

Assim como o Dr. Rui Portanova, entendo que o requisito da publicidade não pode ser entendido como uma barreira ao reconhecimento do afeto que existiu de fato entre o casal, até por que a proximidade física nunca foi impeditivo de uma relação amorosa e a omissão do relacionamento, na minha opinião, não poderia descaracterizar a convivência conjugal que ambos tiveram. Felizmente, o requisito da diversidade de sexos já foi e está sendo superado pela necessidade de proteção aos direitos de cidadãos que vêm ganhando nos últimos anos expressividades concretas no âmbito das transformações sociais.

Quem sabe a publicidade, dentro de um tempo, não será interpretada de outra maneira também?

RMLondero

Comentários

  1. Se a publicidade é exigência da lei, o julgador deve se ater a ela. Há casos em que é irrazoável aplicar uma lei, fato. Mas não penso que seja essa a situação descrita. Afinal de contas, o sujeito era um padre. A moça sabia o que estava fazendo. Nenhum dos dois realmente poderia ter qualquer pretensão no sentido de que o relacionamento pudesse ser um dia reconhecido, ainda mais tendo em vista que a possibilidade de casamento era nula, enquanto o sujeito continuasse a ocupar a posição de padre.

    ResponderExcluir
  2. E que publicidade seria, a menos que fosse de conhecimento amplo e irrestrito? Não pode haver outra.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Veja esta: Oportunidades disfarçadas nas crises

Início dos ano 1930. O mundo vivia uma destruição de riqueza sem precedentes: entre 1929 e 1933, o Produto Interno Bruto dos Estados Unidos encolhera 45%. milhares de empresas fecharam as portas. Bancos, indústrias e negócios rurais reduziram drasticamente suas operações. Um em cada quatro trabalhadores perdeu o emprego. Mais de 12 milhões de americanos foram colocados na rua.
Em meio a essa turbulência, nos arredores da Peninsilvânia, o engenheiro Charles Darrow era uma das vítimas do desemprego. Confinado em uma casa sem nada para fazer, ele tentava distrair os filhos contando histórias e improvisando brincadeiras.
Certo dia, Charles recordou um passatempo interessante que havia conhecido no trabalho: um jogo divertido mas com regras complexas que simulava negociar imóveis por valores fictícios. Pensando em entreter as crianças enquanto a esposa preparava a refeição, ele começou a desenhar na toalha de mesa uma cidadezinha, com casas e prédios inspirados nas contruções da vizinhanç…

Dublinenses no Reponte de Maria

Dia desses comprei Dublinenses de James Joyce em uma edição “BestBolso” para ler e reler alguns contos nos intervalos dos dias, sobretudo, nos momentos de viagens no metrô, que têm sido insuportáveis pelo número de trocas que devo de fazer para conseguir chegar na estação mais próxima do meu destino. 

Antes da companhia de Joyce, tinha a impressão de que minha vida estava se passando mais dentro dos trens do que em qualquer outro lugar que eu preferisse ou desejasse estar. Não consigo suportar a falta de bom senso e a falta de olhos nos corações das pessoas.

Todos os dias, invariavelmente, alguém ultrapassa a primeira pessoa da fila e pára na sua frente sem qualquer constrangimento perante todos os outros. O empurra-empurra deixa as costas dos mais frágeis feito pontos de interrogações. Outro dia, um senhor entrou com um sacolão empurrando e as pessoas gritando de dor e ele dizia, “tem lugar pá todo mundo, tá vazio lá no meio, eu não to desrespeitando ninguém. A culpa é dos homi lá de B…

HAITI: O pais caribenho soterrado pela miséria, violência e agora pela desgraça estrutural

Meu país é doença em seu coração, todas as pessoas que têm no meu país vivem na rua – Jean Marc Fantaisie - 20 anos (Jovem haitiano, que reside na cidade de Jérémie, também conhecida como “A Cidade dos Poetas”. Jérémie é uma cidade rural do Haiti).


O Haiti é um país caribenho que se localiza no leste da América Central. Em 1492, os espanhóis ocuparam somente o lado oriental da ilha - atualmente República Dominicana – onde todos os índios da região foram mortos ou escravizados. Já o lado ocidental da ilha, onde hoje se localiza o Haiti, foi cedido aos franceses em 1697. Estes, por sua vez, passaram a cultivar cana de açúcar e a utilizar mão-de-obra escrava oriunda do continente africano. Em 1804 negros e mulatos haitianos travaram uma luta feroz contra os colonizadores franceses, que ficou conhecida como uma guerra de libertação nacional. Este movimento anti-racista e anti-colonial foi liderado pelo ex-escravo Toussaint L”Ouverture e, logo mais tarde, sob o comando de Jacques Dessal…