Pular para o conteúdo principal

A emoção da razão que busco...



Cercada por outras linhas, puxei o freio de mão e estacionei o “Entre Faces e Esperanças” na tangente do cotidiano sistemático, de tal forma que, o necessário movimento petulante dos neurônios foi sendo vencido pela indisciplina...

Com uma pitada de tempero picante no pensamento indolente colocarei novamente a face na esperança entre o permissível prisma do pensar.

Até logo mais!

Comentários

  1. Nossa, estava observando suas postagens e notei que você faz um jogo de palavras muito interessante e inteligente! Consegue abordar temas delicados com um sentimentalismo comportado e com bastante cautela.

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Muito bonito seu post, me soou como um desabafo, não sei se estou certa,mas me parece uma pausa para uma longa respiração e renovação de sua esperança.
    Parabéns!
    beijos
    http://minidesastres.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Concordo com o rapaz anterior.
    Você tem um jogo de palavras muito interessante.

    ResponderExcluir
  4. Não entendi seu post! XP E li 3 vezes hihihi... deve ser porque está tarde e estou cansado!!! X)

    Mas, a galera comentou que você é boa com jogos com as palavras!!!

    Apesar da minha área de Administração tratar textos trabalhados como obrigatoriamente dispensaveis na carreira está certo eu cultivar o entendimento de textos mais elaborados para não perder o costume!!! =)

    Sucesso com seu blog e continue assim!!! Quem sabe vira livro hehehe

    Grande abraço!

    http://neowellblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  5. Ra, parece que eu estou sentado ao seu lado...e como esquecer dos dias em que tu colocavas uma reflexão dessas na roda do diretório... e quando ninguém entendia...tu não repetias e pasava 1 minuto oferecias uma "balinha de cartinha" - como tu chamavas a 7 belo -
    A verdade é que quando aceitávamos a sua bala deixávamos de discutir grandes temas que você propunha ao grupo...

    Você é única Raíssa. Saudade de ti e de pensar contigo!

    Alexandre/Alemão

    ResponderExcluir
  6. Aos poucos estou ti vendo, sentindo este corção, sofisticado, nas atitudes simples, Deus sebe o que faz, a esencia está ná simplicidade, este diamante!!!
    Obrigado!!!
    Francisco Erivaldo.

    ResponderExcluir
  7. Grande Raíssa, o jornalismo me fez ler e interpretar muitos textos, Michel Foucault, entre outros autores. Mas sempre que leio o que voce escreve chego a conclusão que as aulas foram poucas. Claro que no jornalismo a regra é escrever simples e direto, "entre duas palavras use a mais simples, entre duas simples use a menor"...
    Concordo e já disse outras vezes um dia precisa virar livro..é muito talento!
    Beijo grande e continuo teu leitor!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Veja esta: Oportunidades disfarçadas nas crises

Início dos ano 1930. O mundo vivia uma destruição de riqueza sem precedentes: entre 1929 e 1933, o Produto Interno Bruto dos Estados Unidos encolhera 45%. milhares de empresas fecharam as portas. Bancos, indústrias e negócios rurais reduziram drasticamente suas operações. Um em cada quatro trabalhadores perdeu o emprego. Mais de 12 milhões de americanos foram colocados na rua.
Em meio a essa turbulência, nos arredores da Peninsilvânia, o engenheiro Charles Darrow era uma das vítimas do desemprego. Confinado em uma casa sem nada para fazer, ele tentava distrair os filhos contando histórias e improvisando brincadeiras.
Certo dia, Charles recordou um passatempo interessante que havia conhecido no trabalho: um jogo divertido mas com regras complexas que simulava negociar imóveis por valores fictícios. Pensando em entreter as crianças enquanto a esposa preparava a refeição, ele começou a desenhar na toalha de mesa uma cidadezinha, com casas e prédios inspirados nas contruções da vizinhanç…

Reticências

Cheguei em casa ontem com uma sensação de pertencimento tão forte como a que somos capazes de sentir quando fazemos uma criança sorrir em um cenário de dor ou de tristeza. O dia estava nublado e eu estava esgotada, exausta, mas quando eu vi brilhar a presença dele o meu coração acelerou em disritmia.
De fato, aquela luz foi o que inaugurou o encanto, imagino que a sensação seja a mesma de estar em Paris, sentindo toda a elegância e a sedução daquelas Ruas poéticas e daquele ar familiar e deslumbrante. Sem previsibilidades ou pretensões e, simplesmente surpreender-se com a cintilância daquele pertencimento mágico e inominável.
Também já imaginei tomar um café com ele no mesmo lugar onde Beauvoir e Satre haviam se encontrado outrora.
Tive vontade!
Meus dias em São Paulo me levaram a percorrer caminhos novos e desconhecidos. No início fiquei um pouco atrapalhada com a velocidade de tudo e com poucos lugares tranqüilos para ficar, mas hoje procuro palavras para expressar a minha plenitude …

HAITI: O pais caribenho soterrado pela miséria, violência e agora pela desgraça estrutural

Meu país é doença em seu coração, todas as pessoas que têm no meu país vivem na rua – Jean Marc Fantaisie - 20 anos (Jovem haitiano, que reside na cidade de Jérémie, também conhecida como “A Cidade dos Poetas”. Jérémie é uma cidade rural do Haiti).


O Haiti é um país caribenho que se localiza no leste da América Central. Em 1492, os espanhóis ocuparam somente o lado oriental da ilha - atualmente República Dominicana – onde todos os índios da região foram mortos ou escravizados. Já o lado ocidental da ilha, onde hoje se localiza o Haiti, foi cedido aos franceses em 1697. Estes, por sua vez, passaram a cultivar cana de açúcar e a utilizar mão-de-obra escrava oriunda do continente africano. Em 1804 negros e mulatos haitianos travaram uma luta feroz contra os colonizadores franceses, que ficou conhecida como uma guerra de libertação nacional. Este movimento anti-racista e anti-colonial foi liderado pelo ex-escravo Toussaint L”Ouverture e, logo mais tarde, sob o comando de Jacques Dessal…