Pular para o conteúdo principal

A solidão dos restavècks



Participar desta entrevista com o jornalista Raul Marques do Diário da Região de São José do Rio Preto/SP a fim de esclarecer a fenomenologia dos Restavec's é muito mais do que um privilégio, é saber que mais cidadãos brasileiros estão tomando ciência desta chaga social que parece não ter cura no Haiti.
Que a soma sobre alternativas para a erradicação deste sistema, seja discutida agora, mais do que nunca, para que o Brasil possa também atuar não só na Missão de Paz, mas, sobretudo na libertação desta escravidão haitiana desumana!
Para visualizar a matéria do jornal na íntegra, segue o Link (ou, basta clicar na imagem).

http://www.diarioweb.com.br

Raíssa Londero

Comentários

  1. Muito mais do que uma bela "prenda riograndense"...

    Parabéns Raíssa!
    Gean

    ResponderExcluir
  2. Antológica Raíssa, é com saudades que leio teu blog, e com tristeza que sinto tua saudade!

    Sucesso, você com certeza merece!

    Meu mais fraterno abraço.

    Ariel

    ResponderExcluir
  3. Raíssa,
    desculpe a demora em mandar o link. Ainda bem que você encontrou a reportagem. Parabéns pelo seu trabalho e obrigado por nos ajudar a contar essa história.
    Um abraço,
    Raul Marques

    ResponderExcluir
  4. Sempre uma defensora das crianças Haitianas, é um sonho meu também ver essa covardia ter fim... Infelizmente poucos conhecem ou sabem do que estamos falando, mas nós que vimos o olhar dessas crianças sabemos ou melhor tentamos imaginar o tamanho da dor.
    Fico feliz que continuas a publicar e divulgar essa situação...sou teu fã incondicional!!!

    ResponderExcluir
  5. Parabéns ao Raul Marques por ter produzido essa matéria. É impossível não se sensibilizar com a situação vivida por tantas crianças no Haiti.

    Parabéns, Raíssa, por ter dedicado um pouco de ti a essa pesquisa. Tendo conhecido aquela realidade de perto, é teu dever ser a voz dessas crianças e alcançar distâncias que elas não conseguem.

    Beijo grande!
    PS: muito bom o novo layout do teu blog!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Veja esta: Oportunidades disfarçadas nas crises

Início dos ano 1930. O mundo vivia uma destruição de riqueza sem precedentes: entre 1929 e 1933, o Produto Interno Bruto dos Estados Unidos encolhera 45%. milhares de empresas fecharam as portas. Bancos, indústrias e negócios rurais reduziram drasticamente suas operações. Um em cada quatro trabalhadores perdeu o emprego. Mais de 12 milhões de americanos foram colocados na rua.
Em meio a essa turbulência, nos arredores da Peninsilvânia, o engenheiro Charles Darrow era uma das vítimas do desemprego. Confinado em uma casa sem nada para fazer, ele tentava distrair os filhos contando histórias e improvisando brincadeiras.
Certo dia, Charles recordou um passatempo interessante que havia conhecido no trabalho: um jogo divertido mas com regras complexas que simulava negociar imóveis por valores fictícios. Pensando em entreter as crianças enquanto a esposa preparava a refeição, ele começou a desenhar na toalha de mesa uma cidadezinha, com casas e prédios inspirados nas contruções da vizinhanç…

HAITI: O pais caribenho soterrado pela miséria, violência e agora pela desgraça estrutural

Meu país é doença em seu coração, todas as pessoas que têm no meu país vivem na rua – Jean Marc Fantaisie - 20 anos (Jovem haitiano, que reside na cidade de Jérémie, também conhecida como “A Cidade dos Poetas”. Jérémie é uma cidade rural do Haiti).


O Haiti é um país caribenho que se localiza no leste da América Central. Em 1492, os espanhóis ocuparam somente o lado oriental da ilha - atualmente República Dominicana – onde todos os índios da região foram mortos ou escravizados. Já o lado ocidental da ilha, onde hoje se localiza o Haiti, foi cedido aos franceses em 1697. Estes, por sua vez, passaram a cultivar cana de açúcar e a utilizar mão-de-obra escrava oriunda do continente africano. Em 1804 negros e mulatos haitianos travaram uma luta feroz contra os colonizadores franceses, que ficou conhecida como uma guerra de libertação nacional. Este movimento anti-racista e anti-colonial foi liderado pelo ex-escravo Toussaint L”Ouverture e, logo mais tarde, sob o comando de Jacques Dessal…

Dê gosto ao seu desejo!

Não sabia mais nada sobre a vida, ficou horas adentro tentando compreender o significado do desejo para Deleuse e Lacan, folhava o livro com um encantamento inédito. Deu gosto na existência e asas na imaginação das entrelinhas (sem estrelinhas).
Queria continuar se entrelaçando naquela linguagem tão interessante e febril. Estava sentindo tanta afinidade e inquietação, mas a sua outra realidade a chamava...
Do desejo para a ética e da ética para a "morte". E era só ter coragem para seguir viagem...
" Pensar na morte deveria ser exercício diário. Exatamente por que se morre é que se pode conferir intensidade a cada dia que se vive. Cada dia vivido é um dia a menos na trajetória terrena(...) Viver com ética e pensar sobre o que se acumula nesta breve trajetória terrena é dever ético que, bem exercido, faria com que as pessoas se relacionassem melhor. Deixassem as insignificâncias e o supérfluo para pensar no fundamental". (José Renato Nalini).
Resolvi aceitar o "conv…