Pular para o conteúdo principal

O Brasil entre a Violência e o Assassinato Social


Não raramente somos levados a refletir sobre as centenas de violências que assolam diariamente a sociedade brasileira – de pequenos a grandes crimes. No ano de 2002, Jean Ziegler, relator especial da ONU sobre o direito à alimentação, enfatizou que para esta organização considera-se que 15 mil mortos por ano é um indicador de guerra.
Partindo deste pressuposto e também de que as estatísticas do Ministério da Justiça informam que no Brasil são aproximadamente 40 mil assassinatos por ano, não seria romântico analisar também as raízes da violência sob a tão falada desigualdade social. Esta por sua vez, impulsionada por uma ordem político-social e econômica injusta e irresponsável. Todavia não se trata de “dar às costas” a complexidade da violência que invade todas as ciências sociais, mas tão somente de analisá-la sob o prisma da distribuição desigual que ao mesmo tempo em que insere alguns... exclui outros.
O sistema capitalista age sobre as pessoas como uma grande fábrica, impulsionando o progresso na ciência e tecnologia, na cooperação, na beleza e simultaneamente gera o pauperismo, o desespero, a alienação, a tristeza e a marginalização. No nosso país, um terço da população é afetada pela subalimentação, enquanto que no Níger – país localizado no continente africano – e com um dos índices mais baixos de desenvolvimento humano do mundo, há fome por que não há nada. Há fome porque não existe terra fértil, riqueza e um clima tropical como no Brasil. Aqui, o agravante para a fome é muito mais social e político do que natural.
A luta constante das forças sociais no Brasil estimula a fúria das pessoas, que muitas vezes para sua própria sobrevivência necessitam assassinar sua dignidade e agirem como animais irracionais, passam a cometer delitos e por conseguinte são condicionadas ao encarceramento desumano no sistema penal de justiça retributivo.
Assim a violência ocasionada no Brasil por esta seleção desigual no acesso à cultura, a saúde, ao emprego e a educação, tende a cultivar esta chaga social que parece não ter cura e ao mesmo tempo a adormecer o sentimento de humanidade dos cidadãos brasileiros que, frente a violência e a este foco abordado, parecem ou acreditar na tese de que o homem é ruim por natureza e portanto se escusar de tais responsabilidades sociais e políticas, ou, meramente estão sob o efeito da vacina tradicional do conformismo, adequando-se e criando mecanismos de proteção e distanciamento de tais vítimas sociais, feito celas hipócritas de afastamento.
Raíssa M. Londero

Comentários

  1. Um tema "raíz" dos problemas humanos...a fome e as desigualdades sociais são a sociedade hoje, e como somos nós esta tal sociedade, é bom que comecemos a pensar nos nossos próprios erros e tb a delatar o nosso inconformismo.

    parabéns Raíssa...vejo que continuas muito corajosa.

    bjs mãe lori.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Veja esta: Oportunidades disfarçadas nas crises

Início dos ano 1930. O mundo vivia uma destruição de riqueza sem precedentes: entre 1929 e 1933, o Produto Interno Bruto dos Estados Unidos encolhera 45%. milhares de empresas fecharam as portas. Bancos, indústrias e negócios rurais reduziram drasticamente suas operações. Um em cada quatro trabalhadores perdeu o emprego. Mais de 12 milhões de americanos foram colocados na rua.
Em meio a essa turbulência, nos arredores da Peninsilvânia, o engenheiro Charles Darrow era uma das vítimas do desemprego. Confinado em uma casa sem nada para fazer, ele tentava distrair os filhos contando histórias e improvisando brincadeiras.
Certo dia, Charles recordou um passatempo interessante que havia conhecido no trabalho: um jogo divertido mas com regras complexas que simulava negociar imóveis por valores fictícios. Pensando em entreter as crianças enquanto a esposa preparava a refeição, ele começou a desenhar na toalha de mesa uma cidadezinha, com casas e prédios inspirados nas contruções da vizinhanç…

Reticências

Cheguei em casa ontem com uma sensação de pertencimento tão forte como a que somos capazes de sentir quando fazemos uma criança sorrir em um cenário de dor ou de tristeza. O dia estava nublado e eu estava esgotada, exausta, mas quando eu vi brilhar a presença dele o meu coração acelerou em disritmia.
De fato, aquela luz foi o que inaugurou o encanto, imagino que a sensação seja a mesma de estar em Paris, sentindo toda a elegância e a sedução daquelas Ruas poéticas e daquele ar familiar e deslumbrante. Sem previsibilidades ou pretensões e, simplesmente surpreender-se com a cintilância daquele pertencimento mágico e inominável.
Também já imaginei tomar um café com ele no mesmo lugar onde Beauvoir e Satre haviam se encontrado outrora.
Tive vontade!
Meus dias em São Paulo me levaram a percorrer caminhos novos e desconhecidos. No início fiquei um pouco atrapalhada com a velocidade de tudo e com poucos lugares tranqüilos para ficar, mas hoje procuro palavras para expressar a minha plenitude …

HAITI: O pais caribenho soterrado pela miséria, violência e agora pela desgraça estrutural

Meu país é doença em seu coração, todas as pessoas que têm no meu país vivem na rua – Jean Marc Fantaisie - 20 anos (Jovem haitiano, que reside na cidade de Jérémie, também conhecida como “A Cidade dos Poetas”. Jérémie é uma cidade rural do Haiti).


O Haiti é um país caribenho que se localiza no leste da América Central. Em 1492, os espanhóis ocuparam somente o lado oriental da ilha - atualmente República Dominicana – onde todos os índios da região foram mortos ou escravizados. Já o lado ocidental da ilha, onde hoje se localiza o Haiti, foi cedido aos franceses em 1697. Estes, por sua vez, passaram a cultivar cana de açúcar e a utilizar mão-de-obra escrava oriunda do continente africano. Em 1804 negros e mulatos haitianos travaram uma luta feroz contra os colonizadores franceses, que ficou conhecida como uma guerra de libertação nacional. Este movimento anti-racista e anti-colonial foi liderado pelo ex-escravo Toussaint L”Ouverture e, logo mais tarde, sob o comando de Jacques Dessal…